Vaginismo

Autor

Publicado em:
30 Agosto, 2019

Faça o seu pedido de consulta com Joana Boa-Alma Pais

Artigos do Autor

Vaginismo

 

O que é o vaginismo?                                        

O Vaginismo é uma condição clínica em que a penetração vaginal durante o ato sexual ou por outro objeto (por exemplo tampões ou mesmo o espéculo durante a observação ginecológica) é impedida sendo referida pela maior parte das mulheres por dor intensa.

É considerada uma das disfunções sexuais mais referidas pelas mulheres que pode ocorrer em qualquer estágio da vida.

A nível fisiológico, considera-se vaginismo ao espasmo involuntário dos músculos do terço externo da vagina, recorrente ou persistente que interfere com o ato sexual (Masters and Johnsons, 1996).

Muitos profissionais desconhecem ainda esta disfunção o que obriga muitas das vezes a estas mulheres a passarem de especialista em especialista, ou mesmo, sem terem solução para o seu problema, que gera normalmente frustração e insatisfação.

 

Qual a origem?

 O vaginismo está muitas vezes associado a mulheres com historia de educação sexual rigorosa (questões morais e/ou religiosas). Existe ainda uma estreita ligação entre história de abusos sexuais na infância e violação em qualquer fase da vida da mulher. (Moreira, 2000).

O vaginismo pode ainda estar associado à primeira relação sexual insatisfatória e/ou dolorosa, lesões na vulva e vagina (por exemplo num pós parto) ou mesmo história de infeções de repetição vaginais/urinárias. (Moreira, 2000).

Existe ainda alguns casos em que as lesões ou traumas não estão associados à região da vagina, mas por exemplo acidentes de viação, violência doméstica, assaltos associados ao síndrome de pânico (Moreira, 2000).

Podemos ainda ter vaginismo decorrente de negação da homossexualidade ou mesmo de rejeição de um parceiro específico em que a mudança desse parceiro muitas das vezes altera esta condição física. (Moreira, 2000).

 

O que fazer?

É importante um tratamento com uma equipa multidisciplinar. Ou seja, não basta procurar um ginecologista ou um terapeuta sexual ou um fisioterapeuta. É importante procurar ajuda e que essa ajuda seja feita por várias especialidades clínicas nomeadamente ginecologista, nutricionista, fisioterapeuta, terepeuta sexual, etc.

Mais importante de tudo: NÃO DESISTIR! A AJUDA EXISTE!

 

Fisioterapia Pélvica para que serve?

A Fisioterapia Pélvica numa mulher com vaginismo tem como principal objetivo relaxar as estruturas musculares na região abdominal e pélvica. Isto inclui técnicas manuais de relaxamento muscular na região do períneo, abdominal, pélvica e lombar, exercícios posturais e respiratórios, ensino da consciência corporal, ensino do auto-tratamento e auto-conhecimento corporal entre outras, para além das técnicas habituais de electroestimulação e biofeedback. Acima de tudo é preciso compreender muito bem estas mulheres e ter um grande conhecimento das técnicas (de fisioterapia pélvica) a aplicar, caso contrário corremos riscos de agravar a situação.

 

Quem procurar?

Para mulheres com o problema de vaginismo sugerimos, em primeiro lugar, que procure o seu ginecologista ou caso seja seguida no centro de saúde, fale com o seu médico de família para que ele possa encaminhar para a área da ginecologia.

Uma outra forma de conseguir ajuda é através de um fisioterapeuta com formação específica em disfunções sexuais para que possa aplicar as técnicas de fisioterapia Pélvica, e/ou de um terapeuta sexual. Desta forma, este profissional poderá também encaminhar para as outras áreas de intervenção.

Se mesmo assim não conseguir chegar à ajuda necessária, existem nos hospitais públicos serviços específicos desta área como as consultas de sexologia.

 

Existe ainda uma linha telefónica de apoio “Sexualidade em Linha” – 800 222 003 para qualquer tipo de esclarecimento/ajuda.

 

 

Bibliografia e Referências Bibliográficas

Masters WH, Johnson VE. Human sexual response. Boston: Little, Brown and Co.; 1996.

Moreira RLBD. Medicina e Sexualidade. Clínica e farmacomodulação do prazer sexual. Rio de Janeiro: Medsi; 2000

 

Autora

Joana Boa-Alma Pais, Fisioterapeuta (C-028142071) especializada na área da pelviperineologia no CMV de Coimbra: ERS Nº E101322 | Lic. Func.: 112666/2016.